segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Rádio Voz da Ria, 30 anos (1987-2017)


Rádio Moliceiro (Pardilhó)

Rádio Moliceiro (Pardilhó)

Em meados da década de 80 proliferaram em Portugal as rádios piratas, e em Estarreja não foi diferente. A certa altura o Estado decidiu aceitar a sua legalização, contudo atribuindo alvará a apenas uma rádio por concelho. Em Estarreja legalizou-se a Rádio Voz da Ria, Emissora Concelhia CRL, resultante da fusão de duas rádios piratas de gente jovem:

a) A Rádio Moliceiro, que funcionava agregada à Associação Saavedra Guedes (Pardilhó), desde 10.6.1986;

b) A Rádio Antena Livre, depois designada Rádio Horizonte, iniciada por três estudantes do 11.º ano, da Escola Secundária de Estarreja, e que funcionava na Casa do Povo de Estarreja, desde o início de 1985.

Agregaram-se mais tarde à Rádio Voz da Ria a Rádio Cultural de Salreu (1985), a Rádio Independente de Salreu (1985) e a Rádio Selecção de Cacia. Também existiram no concelho a Rádio Antuã (1985), em Salreu, e a Rádio Voz de Salreu (1988?).

Em 20.6.1987 ocorreu a assembleia da fundação da Rádio Voz da Ria, nos Bombeiros Voluntários de Estarreja, resultante como se disse da fusão da Rádio Moliceiro e da Rádio Horizonte. As emissões regulares começaram em 4.7.1987, sendo então a Rádio uma cooperativa com 109 sócios dos concelhos de Estarreja e Murtosa, com estúdios em Estarreja e Pardilhó.

A Rádio viveu dificuldades várias ao longo destes 30 anos, que cedo se fizeram sentir. Teve também sucessos, do que se pode destacar a inauguração das actuais instalações, no início do ano 2000, substituindo as que se encontravam no lado oposto da Praça Francisco Barbosa, por cima do Café Brasília, lado nascente.

Manteve sempre uma postura independente, com programação diversificada de interesse local e não apenas colocando a rodar selecções musicais, para ocupar a grelha de programação. Refiram-se os noticiários, os programas de interesse cultural e social ou os programas desportivos.

A Rádio Voz da Ria é, por tudo isto e muito mais, um órgão de comunicação social estarrejense incontornável e precioso.

O Jornal de Estarreja, n.º 4806, 26.5.2017, p. 2

História d'O Jornal de Estarreja




Uma história de 134 anos, contada em poucas linhas, omite necessariamente muitos nomes importantes, assim como os mais diversos factos e acontecimentos que mereciam ser assinalados. É por isso que apenas uma suave sombra dessa história aqui fica, com várias lacunas. Um jornal com 134 anos de vida é também, para além da sua própria história, uma fonte privilegiada para pesquisar a história do concelho de Estarreja, ao longo deste período.

O “Jornal de Estarreja” saiu pela primeira vez com a data de 12.04.1883, pela mão de Caetano Ferreira e para defesa do Partido Progressista, tendo sido publicado até 1887.

Diga-se que no contexto dos actuais concelhos de Estarreja e Murtosa apenas três jornais foram publicados no século XIX: o “Boletim da Torreira” (1853), “O Jornal de Estarreja” (1883 e ss., contando com “O Gafanhoto” e o “Estarrejense”) e “A Voz de Estarreja” (1885-1888). “O Jornal de Estarreja” foi, pois, o primeiro a publicar-se no actual concelho de Estarreja, sendo hoje um dos mais antigos de Portugal em publicação.

Em 10.04.1887 José Mortágua publicou em Estarreja o primeiro número de um jornal humorístico, chamado “O Gafanhoto”. Este pequeno periódico evoluiu para “O Estarrejense” (1888-1889), ao qual sucedeu “O Jornal de Estarreja” (1890 e seguintes), ocupando o espaço então vago de noticiar os assuntos do concelho de Estarreja. O jornal ainda estava nas mãos de José Mortágua quando este faleceu, em 1906.

Carlos Alberto Costa, que trabalhava n’“O Jornal de Estarreja” desde criança, comprou-o em 1907 a Manuel Valente de Almeida e Silva, dando-lhe continuidade até falecer, em 1956. Carlos Alberto Costa, com experiência de colaboração com outros periódicos, empenhou-se em fazer sair um jornal independente e defensor dos interesses locais. Por várias vezes viu suspensa a sua publicação, que era o ganha-pão com o qual sustentava a família, e foi julgado e preso por defender intransigentemente os interesses da terra, o que continuou a fazer mesmo depois do 28 de Maio de 1926. Entre as causas advogadas pelo jornal sob a sua direcção contam-se: a construção do hospital, a criação de uma corporação de bombeiros, e a defesa da integridade concelhia (1926-1928), muito contribuindo para a devolução de Pardilhó ao concelho de Estarreja. No rescaldo deste episódio a Câmara Municipal mudou o nome da Rua das Amoreiras, onde funcionava a tipografia do jornal, para Rua do Jornal de Estarreja, mais tarde perdendo e recuperando a nova designação, que se mantém hoje. Numa casa desta rua manteve o jornal a sua redacção, desde 1926 a 1977/78, onde era composto manualmente letra por letra, e impresso com prensa à moda antiga. Suspensa a publicação de “O Jornal de Estarreja” em diversas ocasiões, por razões políticas, saiu temporariamente com título de “O Estarrejense” (1919, 1927-1928). Entretanto Carlos Alberto Costa iniciou a publicação de outro periódico, designado “O Jornal de Cambra”, a partir de 1931. Ambos os títulos eram produzidos na tipografia própria, de onde saíam diversos trabalhos tipográficos e em algumas ocasiões jornais de outros editores.

Com o agravar do estado de saúde de Carlos Alberto Costa em 1950, e o seu falecimento em 1956, sucedeu-lhe na direcção de “O Jornal de Estarreja” e “O Jornal de Cambra” o seu filho, Dr. Eduardo Costa, que contava com a colaboração técnica do seu irmão Adalberto Costa e de outros trabalhadores. O Dr. Eduardo Costa, director de “O Jornal de Estarreja” entre 1956 e 1977, que era advogado, foi também professor e director da Escola Secundária de Estarreja, gerente do Grémio da Lavoura de Estarreja e vereador na Câmara Municipal de Estarreja. Para além disso, presidente da direcção dos Bombeiros Voluntários de Estarreja, do Clube Desportivo de Estarreja, do Centro Recreativo de Estarreja e investigador da história local, com estudos publicados nos jornais e nas revistas “Arquivo do Distrito de Aveiro” e “Aveiro e o Seu Distrito”.

Ao Dr. Eduardo Costa, falecido em 1977, sucedeu na direcção de “O Jornal de Estarreja” o seu filho, Dr. Eduardo Carlos Costa, e poucos números depois o Dr. Norberto Costa, que embora com o mesmo apelido já não pertencia à família. Seguiram-se depois tempos difíceis para o jornal, que inclusive não se publicou num curto período. O jornal e as suas instalações foram entretanto adquiridos por uma sociedade, cujos sócios estavam ligados ao Partido Social Democrata. Acabaria por deixar a antiga casa, onde este partido mantém hoje a sua sede, deixando também de ter tipografia própria. Seguiram-se como directores o Dr. Dario Matos e o Professor Artur Castro Tavares, que foi igualmente proprietário, como os sucessores, terminando a ligação directa à política. Este último deu impulso ao jornal, que voltou a ser semanário e aumentou o número de páginas.

Nos últimos anos “O Jornal de Estarreja” tem sido dirigido pela Dra. Andreia Tavares (2004-2012) e agora pela Dra. Joana Sousa (2013). Um sinal dos tempos, pela primeira vez a história do jornal escreve-se no feminino e com formação académica na área do jornalismo.

In O Jornal de Estarreja, n.º 4803, 13.4.2017, p. 2

O Mercado Municipal de Estarreja

Padeiras no antigo mercado da Praça de Estarreja (Arquivo Municipal de Estarreja)

Data de 1812 a criação pela Câmara Municipal de Estarreja do mercado, aos domingos de manhã, na praça de Estarreja. Testemunham-no as actas camarárias e um documento do Desembargo do Paço, no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, este respeitante a preocupações do Mosteiro de Arouca, donatário da terra. Realizou-se assim, ao longo do século XIX, um mercado aos domingos de manhã, aproximadamente na actual Praça Francisco Barbosa, mas também um pequeno mercado diário, mais vocacionado para os alimentos frescos. É o que informam, entre outros, o Inquérito Industrial de 1865, o Código de Posturas Municipais de 1879 e o Anuário Comercial de Portugal, nos últimos anos do século.

No ano de 1911 o mercado, que até então era aos domingos, passou a realizar-se às quintas-feiras e domingos, conforme informava nesse ano o jornal O Concelho de Estarreja e deve constar nas actas camarárias coevas. Esclarecia em meados do século XX o Anuário Comercial de Portugal que às quintas-feiras havia o mercado geral, enquanto o domingo estava reservado para um mercado próprio e especialmente agrícola. O Jornal de Estarreja noticiava em 1954 que, a partir de Março desse ano, mudariam os dias de realização do mercado, passando a fazer-se às terças-feiras e aos sábados, dias que se mantiveram até hoje.

O projecto do actual mercado de Estarreja é de 1960, da autoria do Arq. António Linhares de Oliveira, do Porto, autor dos projectos de outros edifícios no centro do concelho, que nesta época conheceu profundas alterações urbanísticas. Na verdade, a aquisição da Quinta dos Temudos em 1952, pela Câmara Municipal, serviu o propósito da construção do actual mercado, das Casas dos Magistrados e do Quartel da GNR. Construíram-se ainda as instalações dos Serviços Municipalizados e uma nova rua principal (a actual Avenida 25 de Abril), ficando reservados terrenos para o Quartel dos Bombeiros Voluntários de Estarreja, ampliação dos CTT e um hotel-restaurante, entre outros edifícios, e planeando-se já um Parque Municipal.

A obra do novo mercado, noticiada com profundidade n’O Jornal de Estarreja, constava de seis pavilhões e incluía instalações frigoríficas. Foi adjudicada em 1961 ao empreiteiro Luís Costa, vindo a inaugurar-se em 14.6.1964. Presidia então a Câmara Municipal o Dr. Fernando Elísio Pinto Gomes. Os alimentos frescos (carne, peixe, legumes, ovos, fruta e aves) ocuparam o novo espaço, mas a feira ainda continuou por algum tempo na Praça Francisco Barbosa.

Vem isto a propósito da remodelação do mercado de Estarreja, recentemente iniciada, encerrando temporariamente a Avenida 25 de Abril e por 12 meses (previstos) o mercado, que transitoriamente fica a funcionar no Multiusos (antiga piscina) e estacionamento do Pavilhão Municipal. Entre as principais alterações projectadas foi noticiada a demolição do corpo sul do mercado coberto.

FEIRAS E MERCADOS DAS FREGUESIAS

Na freguesia de Beduído, além do mercado municipal acima descrito e da Feira de Santo Amaro, já abordada noutra ocasião, fez-se em tempos na Areosa uma pequena feira de gado bovino. Sabe-se que a feira de Nossa Senhora da Conceição, na Areosa, era realizada a 7 de cada mês em meados do século XIX, ocorreu igualmente nos dias 8 e finalmente nos dias 9. Era nos dias 9 que se fazia quando foi extinta, em 1901, integrando-se na Feira de Santo Amaro, que passou então a bi-mensal.

Entre o centro de Avanca e o largo de São Sebastião da mesma freguesia, alternou uma pequena feira de gado bovino, nos dias 2 de cada mês, durante a segunda metade do século XIX e início do século XX. Depois de extinta por longos anos, ainda se tentou reactivar em 1928, mas acabou por extinguir-se novamente. Sucedeu-lhe a feira dos 19 no largo de São Sebastião, em 1962, que no ano seguinte a Junta de Freguesia pretendeu instalar num terreno entre as estradas de Santo André e da Aldeia, e acabou por funcionar no mesmo local que o mercado.

Cabe dizer que o mercado de Avanca, às quartas-feiras, começou por realizar-se no largo da igreja, junto à capela de Santo António, desde 1928, e poucos anos mais tarde passou a fazer-se às quartas e às sextas-feiras. Nesse local permaneceu até à década de 1960.

Outras feiras e mercados, há muito extintos, houve em Avanca. A Memória Paroquial de 1758 dá conta da existência de uma feira a 30 de Dezembro, no terreiro da capela de Santo André, que era um «arraial de géneros comestíveis, caixas de madeira, carros e outras coisas de lavoura». Por outro lado inaugurou-se uma feira/mercado em 1919, em Água Levada, nos dias 19 de cada mês, que deve ter tido curta duração.

Os dias dos santos padroeiros foram já dias de feira em Fermelã (29 de Setembro, São Miguel) e em Salreu (11 de Novembro, São Martinho). Nesta última freguesia aceitou a Câmara Municipal que se fizesse uma feira de gado, nos dias 5 de cada mês, no lugar da Senhora do Monte, iniciada em 1914 e que pouco tempo deve ter durado.

Tem Pardilhó ainda hoje um mercado, aos domingos de manhã. Segundo o Pe. Ismael Matos, em 1888 a Junta de Freguesia deliberou sobre o local da venda do peixe à semana, que devia ser o mesmo do domingo. Sinal de que o mercado já se fazia. Sabe-se que em 1903 realizava-se no actual largo da igreja (nascente) mercado diário e maior ao domingo. Só muito recentemente o mercado se mudou do largo da igreja para a sua localização actual, em 2001, sendo o novo espaço inaugurado em 2003.

Mencionou o Dr. José Tavares ter a Câmara Municipal extinguido em 1858 uma feira de gado efémera em Pardilhó. Mais duradoura foi a Feira dos 9, criada em 1911, que passou a ser feita nos dias 9 e 23 a partir de 1927, por determinação da Câmara de Ovar. Mudada esta feira de gado do centro da freguesia para a Quinta do Rezende terminou, como as demais em Portugal, na década de 1980.

Refira-se finalmente que se fez um mercado do peixe em Veiros até finais do século XVIII, que se mudou para Pardelhas a fim de evitar o pagamento dos tributos devidos ao Mosteiro de Arouca.

As feiras de gado terminaram, em Estarreja e em Portugal, na década de 1980. Continuam hoje activos os mercados de Estarreja, Avanca e Pardilhó.


In O Jornal de Estarreja, n.º 4798, 3.2.2017, p. 2

O Conde de Ferreira


Joaquim Ferreira dos Santos (n. 4.10.1782, Campanhã; f. 24.3.1866, Porto) foi o mais novo de 5 filhos, de um casal de lavradores. Sendo de origem modesta, iniciou estudos para se tornar sacerdote, que abandonou passando a exercer no Porto a profissão de caixeiro.

Cerca de 1800, com 18 anos, embarcou com destino ao Rio de Janeiro, onde começou a ganhar dinheiro no comércio à consignação. Recebia mercadoria para revender que lhe era enviada do Porto (vinho, chapéus, utensílios ou adornos) para onde enviava na volta dos navios outros bens (açúcar, aguardente, couros, café, arroz). Casou-se uma só vez, com uma senhora argentina dotada de património, D. Severa Lastra, com quem teve um único filho no Rio de Janeiro, falecido jovem, pelo que não deixou descendência. Poucos anos terá durado o casamento, por falecimento da esposa, crendo-se que o matrimónio tenha contribuído para mais facilmente se movimentar entre a elite burguesa do Rio de Janeiro.

Expandiu depois a sua actividade comercial para Lisboa, Angola e Inglaterra, dedicando-se ao tráfico de escravos pelo menos entre 1816 e 1828. A partir de 1830 ficou proibido o tráfico de escravos a cidadãos brasileiros (que ficou sendo com a independência deste país), o que lhe causou problemas com a justiça. Regressou em 1832 a Portugal, fixando-se em Lisboa, em plena guerra civil (não se envolvendo nesta), e acabando por mudar-se para o Porto após o fim da guerra. Embora aspirasse regressar ao Brasil, quando as circunstâncias políticas desse país lhe fossem mais favoráveis, realizou em Portugal vários investimentos, entre os quais sobressai a Companhia das Lezírias, o Branco Comercial do Porto e o comércio de vinho.

Em 1842 iniciou vida política, no que investiu significativas somas em dinheiro, apoiando o governo de Costa Cabral. Nesse ano readquiriu polemicamente a cidadania portuguesa, tornou-se Par do Reino e foi agraciado com o título de 1.º Barão de Ferreira, ou seja, do seu apelido. Continuando a financiar as causas políticas subiu na hierarquia titular, ascendendo a 1.º Visconde de Ferreira (1843) e 1.º Conde de Ferreira (1850), sendo ainda fidalgo-cavaleiro da Casa Real, Comendador da Ordem de Cristo e possuindo a grã-cruz de Isabel a Católica de Espanha.

Os últimos anos de vida foram passados no Porto, retirado da actividade política. Faleceu deixando uma herança fabulosa, à época estimada em 600 contos, boa parte da qual destinou no seu testamento à benemerência. Entre outros legados que realizou avulta a fundação no Hospital de Alienados Conde de Ferreira (Porto), as somas destinadas à Santa Casa da Misericórdia do Porto, à Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro, a vários hospitais e asilos, familiares, afilhados e amigos. Enfim o capital que destinou à construção de 120 escolas primárias, masculinas e femininas, noutras tantas sedes de concelho. Para cada escola, construída de acordo com uma planta uniforme datada de 1866 (encontra-se actualmente no Arquivo Histórico do Ministério da Habitação e Obras Públicas), foram destinados 1200$00, incluindo mobília e alojamento para os professores.

A ESCOLA DE ESTARREJA

A sede do concelho de Estarreja foi uma das contempladas, com uma escola da herança do Conde de Ferreira, cabendo-lhe então a planta da escola e 1200$00 para a construir. Em 1867 a Câmara Municipal de Estarreja comprou ao Dr. Filipe José Pereira Brandão, da Quinta da Costeira, uma parcela com 600 m², pelo valor de 160$00. A escola construiu-se, ficando na porta principal a data de 1866, do falecimento do Conde de Ferreira, e no portão 1868, que deve ser da inauguração.

Em Estarreja a Escola Conde de Ferreira foi durante décadas a única do ensino primário na Vila. Refira-se que a taxa de analfabetismo em Estarreja, em finais do século XIX, andava na casa dos 80%, sendo na ordem dos 70% para os homens, e dos 90% para as mulheres.

Numa notícia do Jornal de Estarreja de 1960 lê-se que a escola, originalmente com duas salas de aula, fora ampliada com uma terceira havia anos. A terceira sala de aula terá sido pois acrescentada no início dos anos 50, ou mesmo nos anos 40, de acordo com algumas testemunhas crianças à época.

Segundo informa o Jornal de Estarreja de 4 de Outubro de 2002, a escola Conde de Ferreira, que saiu da escola do Paço, passaria então a acolher o Centro de Validação e Reconhecimento de Competências. Deve ter sido pois o ano lectivo de 2001/2002 o último em que funcionou como escola do ensino primário. Reabriu portas em 21 de Setembro de 2013, agora como Casa das Artes e sede do Rotary Club de Estarreja, que recebeu o edifício da Câmara Municipal de Estarreja e procedeu a obras de recuperação.

 In O Jornal de Estarreja, n.º 4778, 8.4.2016, pp. 8-9

terça-feira, 13 de junho de 2017

Ribeira do Telhadouro



Moliceiro em Pardilhó (postal de 1913).

A primeira referência escrita a Pardilhó consta de um caderno de pergaminho, com datação aproximada de 1346-1357, hoje à guarda do Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Consiste numa lista de casais e herdades do Mosteiro de Arouca, na terra de Antuã e Avanca. Aí se mencionam, entre as propriedades de Avanca, o casal do Talhadoyo e marinha do Talhadeiro, que devem referir-se ao Telhadouro de Pardilhó. Vestígios das velhas marinhas de sal que por ali terão existido no século X.


In “Ribeiras de Pardilhó” [folheto turístico desdobrável], Junta de Freguesia de Pardilhó/Ventos da Ria, Junho de 2016

Ribeira do Nacinho



Ribeira do Nacinho (2016).

Durante a Primeira República construíram-se aqui vários lugres, destinados à pesca do bacalhau. O mais célebre foi o José Estevam, cujo bota-a-baixo ocorreu em 1921 e pescou por conta de uma sociedade de pardilhoenses, a Empresa Industrial de Pardilhó. A sociedade possuía uma seca de bacalhau perto da ribeira da Aldeia (o nome de uma rua guarda essa memória), mas poucos anos durou e terminou com prejuízo, devido a um acidente sofrido pelo lugre perto da Terra Nova.

Com as obras recentes deixou de se ver o sítio da Praia do Bispo, que se diz dever o nome a D. Manuel Maria Ferreira da Silva (1888-1974), o único bispo natural de Pardilhó.

In “Ribeiras de Pardilhó” [folheto turístico desdobrável], Junta de Freguesia de Pardilhó/Ventos da Ria, Junho de 2016